A Arte da Guerra No Dia-A-Dia: Conclusão

Desenvolvimento Pessoal, Saúde e Felciidade

Esta é a terceira parte de três; podes encontrar a primeira aqui e a segunda aqui.

Depois de dois artigos a partilhar as lições que aprendi ao ler o clássico de estratégia militar de Sun Tzu, e como as aplicar à nossa vida diária, aqui ficam as minhas considerações finais.

O livro foi estudado por gente infinitamente mais sábia do que eu ao longo dos anos, e o que eu aqui escrevo é apenas a minha interpretação; se achaste de todo interessantes e valiosas estas lições, então recomendo muito que leias o livro por ti, e retires as tuas.

Grandes feitos exigem uma base sólida


“(…) protege cuidadosamente as tuas linhas de abastecimento.” – Sun Tzu, Cap. X-3


As linhas de abastecimento, isto é, a forma e caminhos pelos quais o exercito vai recebendo reforços e mantimentos, são uma preocupação constante ao longo da obra de Sun Tzu.

Isto porque o sábio sabia que nem mesmo o exercito mais poderosos poderia sobreviver quando irremediavelmente separado da sua fonte de recursos. Precisamente o contrário: quanto mais poderoso o exército, mais ele depende de alicerces fortes.

Todos nós temos as nossas linhas de abastecimento; físicas, financeiras, emocionais.

Não devemos deixar que se tornem correntes, claro está; não devemos ter medo de deixar a segurança do lar, do abraço reconfortante da família, ou de um trabalho que nos sustenta mas não nos satisfaz. Afastar destas coisas é crescer.

Mas tão pouco conseguimos avançar para o desafio sem ter por detrás de nós algo com que contar, sem ter boas bases. Um prédio precisa de alicerces, e as nossas grandes conquistas devem ser erguidas sobre conquistas menores mas importantes, preparação e planeamento.

E pessoas. Cada um de nós tem a sua maneira de ser, e se uns adoram trabalhar em grupo, outros funcionam muito melhor sozinhos; mas todos sem excepção precisam da ajuda de um amigo ou amiga de vez em quando.

Desenvolvimento Pessoal, Saúde e Felicidade

Não há soluções mágicas


“Propostas de paz não acompanhadas por um tratado jurado indicam uma conspiração.” – Sun Tzu, Cap. IX-26


Decerto que já por várias vezes viste ou conheceste alguém que foi aldrabado.

Alguém a quem foi prometida uma saída fácil para um problema – um tratamento inovador para perder peso em poucos dias, uma solução para ganhar milhares de euros por mês trabalhando a partir de casa, ou um creme que faz desaparecer as rugas, crescer o cabelo, e ser imune a constipações.

Vamos ser realistas – neste mundo altamente ligado em que vivemos, em que a informação se difunde em questão de minutos, qualquer solução destas seria já sobejamente conhecida por todos se realmente funcionasse.

Claro, há coisas que desconheces e que te podem ser benéficas – parte do propósito do Viver, Amar, Prosperar é dar-te a conhecer essas coisas. Mas são coisas e técnicas que exigem alguma dedicação e trabalho. Os comprimidos mágicos e soluções imediatas? Esses só existem nas histórias.

Suspeita das soluções fáceis. Nunca nada que valesse a pena se conseguiu sem esforço ou compromisso.


O respeito conquista-se, não se pressupõe


“Considera os teus soldados como teus filhos, e eles seguir-te-ão até aos vales mais profundos; cuida deles como dos teus filhos queridos, e eles permanecerão a teu lado até à morte.” – Sun Tzu, Cap. X-25


Há duas maneiras de se conseguir o respeito dos outros: através do amor e através do medo. Mas apenas uma destas conquista um respeito que não desaparece na adversidade; apenas uma destas cria o tipo de laços que não se quebram quando surge um momento de fraqueza.

É por isto que, mais tarde ou mais cedo, todos os ditadores caem, mesmo que durante anos tenham ouvido todos os dias os louvores do seu povo.

A humildade e a beneficiência são essenciais para obter o verdadeiro, o duradouro respeito dos outros.

Isto não significa que se sejam brando ou pouco exigente com os outros, e especialmente que nos deixemos tornar subservientes das vontades deles para lhes agradar. A firmeza de carácter é outra das componentes essenciais para conquistar o respeito. Sun Tzu recomenda também que um general deve “demonstrar confiança nos seus homens, mas insistir sempre para que as suas ordens sejam obedecidas”.

Solução Para Qualquer Problema - Desenvolvimento Pessoal, Saúde e Felicidade

Coloca-te no limite para conquistares tudo o que desejas


“Quando se encontram numa situação desesperada, os soldados perdem a noção do medo. Se não houver um local de refúgio, resistirão com firmeza. Se estiverem no coração de um território hostil, resistirão obstinadamente. Se não houver ajuda possível, combaterão devotadamente.” – Sun Tzu, Cap. XI-24


Grande parte do capítulo XI volta a esta ideias – de que é quando está no seu limite que o ser humano alcança os seus maiores feitos.

É uma ideia tão acertada que é transmitida de geração em geração através de centenas de histórias, tantas em que o herói ou heroína, a determinado ponto, se encontra numa situação de desespero, de derrota total, e é nesse momento que lhe surgem as reservas desconhecidas de força, as inspirações divinas.

O homem tem, é claro, que estar física e psicológicamente apto; tem que se encontrar preparado para o desafio que o destino lhe propõe, claro, como foi defendido em máximas anteriores. Mas tudo isto só conta verdadeiramente no momento em que ele se encontrar numa situação de perigo, sem tréguas.

Queima pontes! Fecha portas! Não tenhas medo de injectar mudança na tua vida, não tenhas medo de arriscar. Habitua-te a fazer frente à adversidade, e verás que a adversidade cada vez menos te incomodará e amedrontará.

Como dizia Ralph Waldo Emerson: “Um herói não é mais corajoso do que um homem comum, simplesmente é corajoso durante mais cinco minutos.”

Desenvolvimento Pessoal, Saúde e Felicidade - Liderança Pessoal


A sério, tens que sair da tua zona de conforto!


“Infeliz é o destino daquele que tenta ganhar as suas batalhas e ter êxito nos seus ataques sem cultivar o espírito de iniciativa; o resultado é a perda de tempo e uma estagnação geral.” – Sun Tzu, Cap. XII-15


Olha, muito provavelmente conseguiste, ao longo da tua vida, ganhar algumas vantagens, algum conforto.

Provavelmente também tens medo de perder esse conforto. É natural, toda a gente em. A sociedade em que vivemos ensina-nos a não tomar riscos, a fazer aquilo que sempre fizemos, a guardar com muito cuidado aquilo que conquistamos.

O que se passa é que, infelizmente, se assim o fizeres, então provavelmente nunca avançarás.

Quando um bebé aprende a andar, está a arriscar-se a cair, a magoar-se. Mas se o evitasse, o que seria da sua vida?

Quando aprendemos a andar de bicicleta, de patins… arriscamos a cair, a magoar-nos. Verdade?

Ao longo de toda a obra de Sun Tzu, comentadores ilustram as suas máximas com histórias de grandes batalhas chinesas (e algumas ocidentais). Contam-se pelos dedos das mãos aquelas em que o lado vitoriosos simplesmente se deixou ficar parado a fazer o que sempre vez.

Nove em cada dez vezes, a vitória, seja militar o pessoal, surge de ousadia, de uma táctica desesperada, de uma defesa heróica contra todas as possibilidades, de uma ideia inesperada que nunca se acreditaria que pudesse vir a ter sucesso.

Quando te deixas prender por aquilo que tens; quando tens medo de arriscar porque podes perder aquilo que obtiveste; aí, as coisas deixaram de ser tuas; tu é que lhes pertences.

Lê um livro sobre algo que não entendes absolutamente nada! Convida para um encontro um rapaz ou rapariga muito mais bonito do que tu! Volutaria-te para fazer um trabalho que pensas que não consegues fazer!

Se falhares, falhaste. Aprendeste algo, e fizeste algo que 99% das pessoas não se atreveriam. Parabéns! Ainda vives!


E assim concluo o meu estudo de “A Arte da Guerra”, por Sun Tzu. O que acharam? Foi útil para vocês? Há algum livro que gostassem de ver abordado da mesma forma? Por favor partilhem nos comentários! =)

As imagens que acompanham este artigo foram gentilmente cedidas por, em ordem de inserção: Stella BogdanicMarja Flick-Buijs, Istolethetv e  John Nyberg.

Deixe o seu comentário